A nuvem de mim

Uma nuvem hoje passou sobre minha cabeça. Não uma nuvem branca, clara, daquelas que decoram o céu. Era uma nuvem quase escura… Cheia d’água roubada descaradamente de mares e rios. Engolia a chuva à seco com vontade de inundar tudo… e desabava seu peso sobre minha cabeça, minha cabeça já cansada de outras coisas… coisasContinuar lendo “A nuvem de mim”

Menos uma voz

Hoje o dia fará uma pausa: ele não dirá nada, o silêncio será seu rei.De repente as horas passarão mais lentas, a espera será de ordem. Haverá menos nuvens no céu, talvez elas se deitem sobre a relva ou sobre o leito do rio.Os pássaros cantarão notas tristes e não farão danças em seus voos.Continuar lendo “Menos uma voz”

Lágrimas de adeus

Na nascente dos teus olhos um rio de lágrimas. Gota a gota desliza pela face a tristeza inteira. Escorre lentamente, uma após a outra… uma após a outra… uma após a outra… e pelo rosto vai se formando uma cascata de água límpida que o coração, agoniado afogado libertou sem querer. Um choro doce. UmContinuar lendo “Lágrimas de adeus”

A criança interior

Algumas pessoas, quando crescem, abandonam a infância sem saber que é preciso mantê-la viva na alma para que o equilíbrio exista. Os sonhos precisam da inocência infantil assim como as esperanças. E quem vive sem sonhos ou esperanças? Mas quando crescemos e renegamos este lado importante de nós, há um amargor que toma o serContinuar lendo “A criança interior”

Tristeza

Faleceu minha tristeza. Eram duas horas da manhã, eu recém acordava de um sonho que me trouxe felicidade. E foi assim que ela se foi, a tristeza que comigo dormiu… diminuiu-se diante do bem-estar que me contagiou. Afugentou-se de ver comigo um sorriso que não lhe cabia. Mas o problema com a tristeza é queContinuar lendo “Tristeza”

Fugas constantes

Quanto mais me chegas perto mais tenho medo. Poderia falar contigo uma, ou duas vezes mas tantas… eu tenho medo. Trocaria idéias contigo, visitaria teu sorriso e contigo sorriria das coisas da vida. Mas não muito perto não por muito tempo só de vez em quando assim, um pouco longe. E não me digas queContinuar lendo “Fugas constantes”

Graças aos Féis

Desgraça! A graça toda que estava em mim perdeu-se. Perderam-se os trejeitos as coisas mais tolas que todas somadas mais do que piadas eram só encanto. Ai, desgraça… como numa casa em plena mudança ou abandono, onde as luzes vão se apagando e acaba a dança e fecha a porta o dono já batendo praContinuar lendo “Graças aos Féis”

Colcha de Mim

Nesta colcha de retalhos de tecidos diferentes combinando quase nada… doida, esburacada, meio assim, tão assim, que o mundo fez de mim tem tantas coisas que eu preciso pra ser eu… Eu preciso… … preciso ler, ler muito, escrever sempre… … Eu preciso escrever, soltar de mim as palavras que correm mais do que oContinuar lendo “Colcha de Mim”

Remendo caído

Num canto de mim havia um remendo. Costurado com uma velha linha já se esfacelando, o remendo, descorado, salientava-se do resto. Olhava aquele pedaço desbotado de mim e sentia o incômodo de tê-lo ali. Sem mais nem menos a sua falta de vivacidade invadiu mais e mais e passei a me ver inteira como oContinuar lendo “Remendo caído”

Sorriso de Batom

Hoje eu desenhei um sorriso no espelho com batom. Só para me ver sorrindo. Vi aquele sorriso estranho, sorrindo sozinho, ali, com os meus olhos por trás, fingindo ser eu e me senti diferente. Como quando tenho que sorrir muitas vezes ao dia quando não tenho a menor vontade de sorrir, só para fazer deContinuar lendo “Sorriso de Batom”