Fascínio pela noite

Sei do fascínio que exerce a noite sobre mim. A noite e sua quietude, seus tons escuros, seus brilhos casuais. Amo a lua que se mostra em faces: apenas por partes, meio distante… ou totalmente devassa, inteira, luminosa, quase me tocando com sua beleza tão próxima. Adoro as estrelas, longínquas, fulgurantes, visão de luz queContinuar lendo “Fascínio pela noite”

Pensando alto

O tempo pode ser cruel com o corpo, mas é o amigo mais precioso da alma. *** Estes escritores que vão morrendo e levando com eles tantos sonhos. Deixam a palavra escrita para que a gente não se perca no caminho até o dia do reencontro final. *** Antes de apontar o dedo para alguémContinuar lendo “Pensando alto”

Não apague as estrelas

Por favor não apague as estrelas… hoje eu quero sonhar… Dormirei mais tarde quando a lua também for dormir. Quero passar horas a olhar o céu… Quero passar horas a me encantar com o céu… Quero passar horas a navegar pelo céu… Por favor… não apague as estrelas… Elas são meu guia neste infinito sonhoContinuar lendo “Não apague as estrelas”

Pensando alto

Poucos são os que realmente preferem a verdade e sabem lidar com ela. Muitos são os que preferem as belas mentiras e os sorrisos fingidores… tanto que tudo fique bem como o imaginado! *** Assim como o corpo as vezes precisa de complementos alimentares, o coração precisa de complementos sentimentais. *** Imagino que o sonhoContinuar lendo “Pensando alto”

O sonho

Imagino que o sonho permaneça lá, no recanto do imaginário, entre as nuvens que nos acolhem o sono. O sonho não poderá vir espalhar-se junto à realidade, mostrar suas faces e fases, misturar-se ao tudo que em seu conteúdo nega. Lá, longe, longe do despertar, fica o sonho. E todas as suas impressões com eleContinuar lendo “O sonho”

saudades, vó marta!

Me deito ao lado dela e começamos a relembrar certas cenas de família. No meio dos retratos de tantos que nem estão mais por aqui, rimos juntas das alegrias vividas. Falamos do quanto é bom rir. E é quando lembro, bem, muito bem, de como ela gostava de rir. E fazer rir. De brincar. DeContinuar lendo “saudades, vó marta!”

Fascínio

O fascínio dos sonhos nunca é o mesmo ao amanhecer. Quando os olhos se abrem e as imagens fogem para algum lugar lá dentro de nós, ficamos entre o desejo de fechá-los novamente, correr atrás do que estávamos vivendo nos sonhos e o impulso natural de erguer o corpo, já esquecendo, tudo ficando para trásContinuar lendo “Fascínio”