Moinhos não movem o homem

Tudo se move. Águas sobre as pedras. Movendo moinhos. Enquanto em seu silêncio interior o homem cala e consente… Mente. Ele também se move. Lentamente. Seus movimentos não movem o moinho, são estranhos. O homem se move e o caminho vai ficando mais curto… sua vida encurtando passo a passo. A verdade da vida doContinuar lendo “Moinhos não movem o homem”

Os silêncios

Em certos momentos o silêncio é nossa única voz. Nossa única música. Nosso único som.   O silêncio que nos abraça quando a dor é grande. Que nos enlaça quando a alegria parte. Que nos ensina a ressuscitar a esperança. O silêncio que algumas vezes é escuro como a noite. e noutras vezes é todaContinuar lendo “Os silêncios”

Menos uma voz

Hoje o dia fará uma pausa: ele não dirá nada, o silêncio será seu rei.De repente as horas passarão mais lentas, a espera será de ordem. Haverá menos nuvens no céu, talvez elas se deitem sobre a relva ou sobre o leito do rio.Os pássaros cantarão notas tristes e não farão danças em seus voos.Continuar lendo “Menos uma voz”

Pensando alto

Muitas vezes é difícil saber o que é melhor para nós. Olhamos em volta e vemos as opções e, em certos momentos, todas podem parecer boas. Neste instante, quando a dúvida nos toma, o melhor a fazer é buscar a resposta no mais íntimo de nós. Porque é lá, no mais profundo da gente, queContinuar lendo “Pensando alto”

Por conta de meu silêncio

Ao invés de falar, faço silêncio. Porque minhas palavras talvez soassem duras demais. Porque minhas feições ao falar talvez ficassem duras demais. Mas eu não me engano, o peso do meu silêncio é tão grande quanto o mundo em mim que o acolhe e as palavras caladas me cortam por dentro como se facas afiadasContinuar lendo “Por conta de meu silêncio”

O relógio calado

O relógio está atrasado. As horas continuaram passando e os ponteiros mal se movendo… Os números calados se negando a falar a verdade das horas que já tinham passado. O relógio está quase parando. Todos os instantes se foram e outros ainda irão… mas o silêncio é de ordem: nenhum som vem do relógio… queContinuar lendo “O relógio calado”

Desejos de balbúrdias

De repente as paredes não mais se elevamapenas tentam se encostar umas nas outrase os sussurros e as falas e os gritos que passavamsilenciados foram sem deixar traços…O tempo está taciturno, as nuvens não chorame o vento que forte cantava lá fora se foi.De repente tudo está tão calmo e a calmaria inquietaporque não éContinuar lendo “Desejos de balbúrdias”