FRASES SOLTAS

Nestes momentos de inverno tento aos poucos me libertar de mim mesma e de tudo o que me segura longe daquilo que há de ser. Correntes, cadeados, chaves. E o peso de tanto que envolve cada pedaço de mim. Através das nuvens tento olhar o céu e dar leveza aos passos que caminham em direçãoContinuar lendo “FRASES SOLTAS”

E EU SOU UMA OUTRA

Momento estranho… Eu não olho para os lados. Meus olhos vêem tudo o que se passa sem que eu olhe. O mesmo acontece com os sons. Fico insistentemente no meu silêncio, atrás da parede invisível que criei, fazendo de conta que não vejo o que se passa no mundo e, portanto, também nada ouço aContinuar lendo “E EU SOU UMA OUTRA”

SÓ PRA CONSTAR

Me dei conta que passei uma semana escrevendo fora do blog. Coisa estranha. Nos últimos tempos da minha vida aqui, sempre venho escrever no blog. Lá e cá, cá e lá. Fico braba lá fora e venho arreganhar os dentes aqui… Amanso aqui e vou lá fora dar bronca… Sei lá, esta semana eu passeiContinuar lendo “SÓ PRA CONSTAR”

DO NADA

Ele desceu as escadas,desvairado e tontoO corpo bêbadoe o pensamento zonzoTentando sobreviver a si mesmoTentando agarrar-se à esmoA todos os gestos desesperados.Gritou. Calou. Escorregou. Caiu.Como escapar daquelas mãos horrendas,desarmado!Como chegar às ruas sem seragarrado?Lendas, mortes, sofrimentos…O que o traiu?Foi o torpor da noite…ou a bebida forteA dor do açoite ou… o medo da morte?Fugir. Fugir.EscaparContinuar lendo “DO NADA”

AMIGOS AMIGOS, O RESTO É BOBAGEM

Todo mundo gosta de ter melhor amigo.– Olha, aquele ali ó, é o meu melhor amigo! Desde o jardim de infância.Desde os tempos do colégio. De qualquer tempo.Sempre me senti muito particular neste aspecto. Fui, desde criança e devido às circunstâncias, nômade o suficiente para aprender a gostar de tudo um pouco. Me fiz eContinuar lendo “AMIGOS AMIGOS, O RESTO É BOBAGEM”

CARO PEDÁGIO

Queria tanto os teus braços Paguei pedágio Atravessei a ponte… Não olhei o mar… Caí. E do naufrágio Surgiu O impasse: De olhos fechados seguir De olhos abertos voltar Alto lá! Quem vem lá? Preciso de ar… Do meu ar Do lado meu lado de cá. (O poema eu fiz outro dia no meio daContinuar lendo “CARO PEDÁGIO”

SÁDICA ALMA

Teu grande prazer é machucar Tuas palavras são dentes mordem a mão que se estende em alegrias… Calam a voz que avança carinhos Tapam os sorrisos com véus indiferentes… Gestos duros! Quanto gosto tens nos olhos frios Ao dizer vezes e vezes e vezes O quanto nada e nada e nada Nunca está, nunca éContinuar lendo “SÁDICA ALMA”

GOSTO

Alguns sabores são indeléveis como certos sinais que trazemos de nascimento… O sabor do primeiro amor. O sabor das boas lembranças. O sabor de uma torta de chocolate. O sabor de uma vitória dita intangível. O bom dos sabores assim é que eles não causam enjôo, não fogem da memória e não percutem os sentimentos.Continuar lendo “GOSTO”