Saudades tantas

Saudades são coisas estranhas. Sensações que muitas vezes a gente preferiria não ter porque tê-las, claro, significa não estar mais perto, não ter mais.E como o tal do colesterol, vivemos nós as saudades boas e as ruins. Temos saudades boas de tempos que ficaram para trás e de pessoas que dele fizeram parte. Temos saudadesContinuar lendo “Saudades tantas”

Fotografias em pedaços

Na cozinha vó temperando o feijão na panelaE a mãe colhendo butiás no quintal da frenteA tia pendurando as roscas no alto do ranchoA outra tia enrolando os docinhos brigadeiros Da canoa vinha o vô com a rede e os peixesE o pai sentando escrevendo o seu jornalO tio discutindo os times de futebolO outroContinuar lendo “Fotografias em pedaços”

Eu não tenho mais saudades

Eu não tenho mais saudades,tenho cicatrizes.Feridas fechadasde dores abertas,que não sinto mais.Sonhos perdidose esperanças incertas.Eu não tenho mais saudades,tenho cicatrizes.Lembranças amenas,inventadas talvez,pontes quebradasnum caminho sem volta.Eu não tenho mais saudades,tenho cicatrizese só elas doem,com o tempo, com o vento,com o que sobroudos sentimentos.

Sabores de Outrora

Sinto na ponta da língua um sabor de outras épocas, um gosto de coisas que nem eu sei mais se o mundo ainda tem. O chuchu verdinho na salada e o doce de leite no pão a mãe na porta da entrada sorriso maior não se vê não. Farinha virando farofa na frigideira E oContinuar lendo “Sabores de Outrora”

Saudades Soltas

Dois anos que a mãe se foi em julho e logo em seguida, dois anos hoje, ele se mandou também. Sinto uma falta danada. Ainda não aprendi a viver sem. Sei que o tempo é o remédio, que ele a gente deve tomá-lo em gotas, comprimidos, com colher, garganta abaixo, de qualquer jeito, mas táContinuar lendo “Saudades Soltas”

Esquecimento

Olhos abertos, sonhos fechados nuvens passando ao longe… Dentro e fora de mim se descobrem pedaços que não se encontram… Não sei mais de onde vim e esta era uma certeza feita. Não sei mais em que lugar me encontro e esta não era uma dúvida. Não sei mais para onde me dirijo e estaContinuar lendo “Esquecimento”

Como Ter Vivido…

Como ter vivido sem lembrar de um joelho esfolado de um doce escondido de um dente quebrado de um brinquedo perdido… Como ter vivido sem lembrar do amigo arruaceiro do amigo pensador do amigo mais maneiro do amigo que era amor… Como ter vivido sem lembrar dos olhares maternos das vidraças quebradas dos longos invernosContinuar lendo “Como Ter Vivido…”