Colcha de Mim

Nesta colcha de retalhos de tecidos diferentes combinando quase nada… doida, esburacada, meio assim, tão assim, que o mundo fez de mim tem tantas coisas que eu preciso pra ser eu… Eu preciso… … preciso ler, ler muito, escrever sempre… … Eu preciso escrever, soltar de mim as palavras que correm mais do que oContinuar lendo “Colcha de Mim”

Boca Suja

Palavras, palavrões, os impropérios mistérios da minha língua e insondada alma. Levaram tantos anos pra sair de onde estavam – sabe lá onde é que estava tudo aquilo! – Escondidos sob a timidez ou um verniz transparente, a classe dos decentes, talvez mesmo acometidos de um pudor inexplicável. Saíram boca à fora, coração brincando deContinuar lendo “Boca Suja”

GARGALHADAS DE FÉ

As gargalhadas atravessaram a porta de vidro fechada… e me lembraram o porquê da porta estar assim fechada… Risos felizes, bolas correndo Barulhos de gente de todos os tamanhos costumam ficar de resguardo durante o inverno enquanto o frio dentro e fora das pessoas e das casas lacra as aberturas e todos fazem de contaContinuar lendo “GARGALHADAS DE FÉ”