Mútuo

Chegaste… teu abraço quente me envolvetua boca toma conta da minhanossos corpos se entrelaçam.No sangue o desejo circulandoMais forte do que as pulsações do coraçãosensível, sensual, sem medo…Tuas pernas roçando as minhase meus pés erguidos para te alcançare te abraçar.Uma vontade de cair aos teus pése me deixar pisar.Ouço a tua voz sussurrandoe ao mesmoContinuar lendo “Mútuo”

Cores no branco e preto

Preto no branco. Branco no preto. Explicações e colorações. O que tudo não é, o que tudo queria ser. E todos? São? Nada é totalmente branco ou totalmente preto. Nem aquele pensamento e nem o fundo do oceano. Há dias e momentos mais escuros e outros, claro, bem translúcidos, chamaríamos de brancos. O preto podeContinuar lendo “Cores no branco e preto”

O que te faz rezar?

O que te faz rezar? O medo, a dor, o medo da dor? A partida, a despedida, a vontade de correr para longe ou de nunca mais partir? O que te faz rezar? O que te faz, em versos repetidos, palavras repetidas, mantras, não importa em que filosofia ou religião, ter a certeza de que,Continuar lendo “O que te faz rezar?”

DELÍRIOS TREMEM

Momentos existem que são assim: nenhuma palavra, nenhuma frase, nada… que se concretize em sons ou letras. Apenas pensamentos febris, sonhos insistentes. Talvez se pudesse acusar dores ou rotina, mas ambas já foram mesmo inspiração. Então, por que? Entre anjos e demônios há um bom tempo sobre tudo debato e eu mesma me debato tentandoContinuar lendo “DELÍRIOS TREMEM”