Madrasta de Si

Com olhos longínquos me observo, juiz implacável de minhas incertezas. Perfeição, perfeição, haveria neste mundo alguém mais sem nexo do eu? Descontroles, dúvidas, dores, inseguranças. E, se de repente abrir o espaço entre a estabilidade e o abismo, dois passos bastarão. (Ouvindo um bom jazz, que o tempo está pra isto…) Imagem: Max Saquco