Linhagem

Ainda escrevo. Pouco, mas escrevo. Minhas linhas frias muitas vezes cortam. Minhas letras outras vezes quentes, mais do que esquentar, derretem. Sou destrutiva? Autodestrutiva? Minha linhagem tatuou em mim a vontade de escrever compulsivamente. Um desejo doido e doído de escrever tanto, tanto, mas tanto, que a mão doa, os dedos sofram, o coração seContinuar lendo “Linhagem”

Equilíbrio buscado

Na vida, nas palavras, nos passos, na queda… eu busco o equilíbrio. No que leio, no que escrevo, no que sinto… eu busco o equilíbrio. No que olho, no que vejo, no que pressinto… eu busco o equilíbrio. E o equilíbrio nem sempre é meio termo algumas vezes ele é o fim que justifica osContinuar lendo “Equilíbrio buscado”

As palavras em mim

Eu poderia engolir as palavras e não mais dizê-las. Engolir todas… e não mais escrevê-las. Eu poderia fazer secar este mar de palavras que vive em meus pensamentos… Poderia tentar ao menos… para nem mais vê-las! Eu poderia arrancar do coração estas palavras deixar o coração vazio para outras coisas que não fossem palavras… Mas…Continuar lendo “As palavras em mim”

Pensando alto

Escrevo não para dizer o que sinto, mas para sentir o que digo. Escrevo para lavrar a palavra e com ela semear emoções. Flui a saudade.Ela sai pelos poros, pelos olhos…e inunda o chão… Esperar que pessoas más se tornem boas, é muitas vezes em vão. Querer que pessoas de má índole se tornem boas,Continuar lendo “Pensando alto”

Linhas a mais e letras a menos

Estava tudo escrito e ainda assim ela teimava em ler ao contrário e escrever por cima. Misturava as letras e mudava as frases, combinando palavras e pontos numa excêntrica dança que fazia quase mal aos olhos desacostumados com tamanha ousadia.Ia do fim ao início, obstinando-se em subtrair linhas, aumentar letras, enfeitar margens e trocar osContinuar lendo “Linhas a mais e letras a menos”

Escrevo porque é minha vida

Escrevo… porque é mais simples do que falar. É mais simples do que muita coisa… E quando não escrevo é como se sangrasse para dentro numa hemorragia interna preenchendo todas as frestas que não tem como conter tanto sangue. Escrevo porque é a minha vida e a minha vida é soltar de mim o queContinuar lendo “Escrevo porque é minha vida”

Colcha de Mim

Nesta colcha de retalhos de tecidos diferentes combinando quase nada… doida, esburacada, meio assim, tão assim, que o mundo fez de mim tem tantas coisas que eu preciso pra ser eu… Eu preciso… … preciso ler, ler muito, escrever sempre… … Eu preciso escrever, soltar de mim as palavras que correm mais do que oContinuar lendo “Colcha de Mim”