A EQUILIBRISTA E O TRAPEZIO

Neste mundo real onde os cabelos embranquecem e caem e as vozes soam diferentes do que gostaríamos de ouvir, pergunto qual seria o limite (ou linha) Uma simples marca, delimitação qualquer, mas bastante clara, que mostrasse (separasse?) o que é real e o que é sonho, delírio ou qualquer coisa do gênero. Digo delírio, porqueContinuar lendo “A EQUILIBRISTA E O TRAPEZIO”

VOTO DE SILÊNCIO

Desde antes de ontem os sintomas foram crescendo. Sozinhos e sem as minhas bênçãos. Mas foram. Dores pelo corpo, a garganta, a cabeça, tudo. E eu fingindo que não via nada, repetia pra mim e pra quem encontrava: tô de férias! Quem me dera! Hoje pela manhã, antes de sairmos para ir ao “seu” Ribeiro,Continuar lendo “VOTO DE SILÊNCIO”

ENXAGEROS

As águas da torneira saindoparecem as cataratas de IguaçuE os assobios uma tempestadeque vem trazendo um furacãoEnquanto ouço os sinos da igrejaque batem indefinidamente epela primeira vez… (eu tenho certeza!)equilibrados com um amplificadore caixas de som…O cachorro late em volume altoE a televisão mudou totalmentea voz de todos que aparecem…Há claridade demais no exterior eContinuar lendo “ENXAGEROS”

EGOÍSTA SEM MENTIR

Eu poderia sair por aí abraçando o mundo e dizer que sofro suas dores. Mas há momentos em que só consigo sofrer as minhas. Sou egoísta? Muitas vezes eu me sinto feliz sentando e oferecendo minha calma, toda vontade de ouvir, meus dois ouvidos inteiros… Mas em outros estou irada, sem paciência e só gostariaContinuar lendo “EGOÍSTA SEM MENTIR”