ímpetos

ímpetos de estar ao teu lado de ouvir teu apaixonado coração a falar a emoção nos olhos descuidados pousando sobre teu caminhar um sobressalto os saltos altos musicando os versos do corpo a dançar ímpetos de abraçar agarrar me debruçar sobre tudo aquilo que um dia deixei passar Photo by Julia Caesar on Unsplash (deContinuar lendo “ímpetos”

Aeternum

de repente uma parte de mim se foi. de repente tento ainda permanecer mas em vão… tentativas vãs… um vão de expectativas. observo através da memória do tempo alguns dos fragmentos do que fui. são lembranças nem sempre doces, algumas tão amargas algumas tão afiadas, cortantes pulando nos pulsos, na jugular no coração maltratado eContinuar lendo “Aeternum”

Pausa para pensar

São coisas que vão ficando pelo caminho. Perdidas, abandonadas, esquecidas, deixadas somente. São coisas, são pessoas. Vão aos poucos ficando para trás. E um dia lembramos. Com saudades ou lamentos, lembramos. Pensamos então: Por quê? Por que ficaram lá atrás? Ainda estariam lá? Seria possível (seria bom?) buscar? Ter de volta? Viver novamente?Nos caminhos queContinuar lendo “Pausa para pensar”

A estrada esquecida

A estrada que não foi vista ou tomada para seguir em frente… A estrada que insiste em aparecer do nada… A estrada que nos dá a impressão de andar para trás… Qual estrada? A mesma estrada? A estrada do nunca? Uma estrada qualquer? A estrada certa? Como saber… como entender… sem apenas fechar os olhosContinuar lendo “A estrada esquecida”

Pelo caminho da pressa

Ando comendo os pés pelas mãos largando poeira e metendo a mão e a colher onde nem sei se se é um dia chamado. O chamado, vem daqui dos confins das terras secas de mim. Se eu fizer besteiras com gosto de criança inocente e sapeca, fugirei do enfado? Ou ao lado, bem ao ladoContinuar lendo “Pelo caminho da pressa”

Traçando caminhos

O caminho está traçado, feito, “caminhado”. Voilá! Agora já é possível parar e olhar para trás. Dar um tempo, uma descansadinha, uma olhadinha aqui e lá. Dá até mesmo para sentar e, meio Erasmo, ficar cantando certas mágos ali à beira. Mas verdade seja dita (se há uma verdade em tudo isto) é que oContinuar lendo “Traçando caminhos”