Canção interna

Eu canto e meus males espanto. Eu canto tudo o que vem na cabeça… dentro da cabeça eu canto… e danço… a música que ninguém escuta só eu… enquanto canto… danço… danço… Dentro da cabeça tenho todos os ritmos uma memória de músicas eterna… E aí eu canto… canto em todos os cantos da casaContinuar lendo “Canção interna”

Pontos de vista sobre a exaustão

A cabeça passa as marchas sem comando. As velocidades se alternam, as freadas são bruscas e não há o menor sinal de uma parada nas proximidades. Tudo vai numa sequência estilo queda livre. Longa rota. Até que ponto será possível controlar o desejo de não controlar? Enquanto a mente baixa as cortinas, extiguindo-se aos poucos,Continuar lendo “Pontos de vista sobre a exaustão”

Confusão Notória

Números e letras se alojam e se amontoam como pedras desconexas jogadas por acaso. Mas e se o acaso não existe e tudo alguma coisa forma ou informa… Os números e as as letras não pretendem não almejam não se aliam não se buscam. E o vácuo do deixar-se estar num não estar em formaçãoContinuar lendo “Confusão Notória”

Censura, Astros e Pensamentos

Polícia armada. Exército nas ruas. Censura. Não, eu não estou falando de AI5, de revolução, de golpe ou de qualquer coisa do gênero. É de mim mesma, da minha cabeça que pensa coisas legendadas (e algumas vezes mesmo eu tenho quase certeza que dubladas!) pra me confundir. É tudo de um jeito tão esquisito dentroContinuar lendo “Censura, Astros e Pensamentos”