Pausas

Um pausa. Uma pequena pausa. Porque pausas devem ser pequenas. Se grandes, fogem e se transformam… criam vãos, apartes, abismos… Pausa para reflexão. Entre as ações. Pausa para descanso. Entre os passos e fatos. Entre os pássaros e os feridos. Expiração. Inspiração. Expiração. Respiração profunda. Uma pequena pausa antes do depois. Photo by Keagan HenmanContinuar lendo “Pausas”

Por conta de meu silêncio

Ao invés de falar, faço silêncio. Porque minhas palavras talvez soassem duras demais. Porque minhas feições ao falar talvez ficassem duras demais. Mas eu não me engano, o peso do meu silêncio é tão grande quanto o mundo em mim que o acolhe e as palavras caladas me cortam por dentro como se facas afiadasContinuar lendo “Por conta de meu silêncio”

As palavras em mim

Eu poderia engolir as palavras e não mais dizê-las. Engolir todas… e não mais escrevê-las. Eu poderia fazer secar este mar de palavras que vive em meus pensamentos… Poderia tentar ao menos… para nem mais vê-las! Eu poderia arrancar do coração estas palavras deixar o coração vazio para outras coisas que não fossem palavras… Mas…Continuar lendo “As palavras em mim”

Madrasta de Si

Com olhos longínquos me observo, juiz implacável de minhas incertezas. Perfeição, perfeição, haveria neste mundo alguém mais sem nexo do eu? Descontroles, dúvidas, dores, inseguranças. E, se de repente abrir o espaço entre a estabilidade e o abismo, dois passos bastarão. (Ouvindo um bom jazz, que o tempo está pra isto…) Imagem: Max Saquco