Me parto


jogo palavras fora.
fora de mim, fora de meu coração 
fora de minha alma, fora de meu corpo
fora de tudo o que eu possa ser
palavras fora... eu jogo  
e elas saem de mim perfurando o corpo, 
abrindo os poros, escrevendo dores  
palavras saem, palavras jorram, 
fora da minha alma e da agonia sentida
um parto 
parto e não sei se volto
a partir de dentro
ao partir de dentro
parto e os pedaços se espalham  
pelo mundo, do mundo, de mim  
de meu corpo dilacerado
das partes de mim  
do tanto que fui ou que imaginei ser 
as palavras que se cantam, 
as palavras que se rezam, 
as palavras engolidas
as palavras que enganam, 
as palavras vomitadas
as palavras que cortam
as palavras que chicoteiam
as palavras que benzem
as palavras que embalam
as palavras que afagam
as palavras que entopem as veias
as palavras de fora e de dentro
de dentro e fora
para dentro e para fora...
jogo palavras fora
estouro, me liberto, me nego
me mostro, me doo, me escondo
a face, o fato, a faca, o foco
dói. e dói. dói tanto.
mas me jogo
um parto
me reparto
me parto.
 

Photo by Annie Spratt on Unsplash

Publicado por Poeternizar

Eternizando versos, versejando vida, poetando sonhos, poeternizando a emoção de cada dia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: