Do tempo e da não permanência

Meu tempo passa como o de todo mundo:
algumas vezes voa; noutras parece se arrastar
algumas vezes nem sinto passar
noutras quero apenas lhe arrancar de onde está.
O tempo que denuncia as tristezas
e que é o mesmo que apaga as lembranças
enche os corações com a saudade
e leva de nós para tão longe certas coisas...
Ter tempo, não ter tempo, querer tempo, dar um tempo...
O tempo não nos pertence.
O tempo etéreo e imutável, não nos pertence.
Não pertence a ninguém.
Não pertence sequer a uma dimensão apenas.
E a gente olhando os relógios
com ar apressado ou perdido
querendo que eles se ajustem
aos nossos desejos...
O tempo existe nos relógios
na nossa pele
nos nossos órgãos...
Não existe além.
Não existe depois.

Photo by Brooke Campbell on Unsplash

Publicado por Poeternizar

Eternizando versos, versejando vida, poetando sonhos, poeternizando a emoção de cada dia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: