Diáfana

De repente eu sei:
Nunca pertenci.
A nada
e nem a ninguém.
Sempre estive
de passagem,
entre as alas,
entre os muros,
entre as falas,
entre os mundos.
Sempre tive folhas,
frutos tive também
sem nunca
criar
raízes.

(Poema de 2009)

Publicado por Poeternizar

Eternizando versos, versejando vida, poetando sonhos, poeternizando a emoção de cada dia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: