A dor que encolhe o mundo

O silêncio que se curva e me toma.
Ele vem da dor que é maior e é sintoma.
Nenhuma palavra. Nenhum som.
Nenhum olhar ou gesto com as mãos.
As mãos, aliás, as mãos… elas guardam o rosto
escondem os olhos da luz.
Nenhuma luz. Nem uma sequer.
A escuridão do nada é sugerida e querida.
Lá onde estão somente os que o silêncio não incomoda.
Nenhum remédio a mais. Nada que possa remediar verdadeiramente.
Tudo é tão intenso!
A mais simples palavra é um grito!
A única fresta de luminosidade é um sol!
Mas como em outras vezes tudo voltará ao seu normal.
Depois de algumas horas, depois de alguns dias.
Tudo voltará ao normal.
E os olhos se abrirão para o dia
e os lábios proferirão palavras
e as palavras também sairão dos dedos…
A cabeça estará livre da dor.

Publicado por Poeternizar

Eternizando versos, versejando vida, poetando sonhos, poeternizando a emoção de cada dia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: