A última noite

Não sonhei direito, a última noite…
Passei por perto dos sonhos e eles praticamente me desdenharam.
Enquanto isto a realidade se oferecia aos meus olhos e a todos os meus sentidos.
Não tive noite. Tive apenas a continuação do dia, nesta última noite.
Fechei os olhos para depois, logo em seguida, abri-los e escancará-los.
Mas mantive a boca fechada. A mente se fechou junto.
A noite foi de uma claridade incomparável. Barulhos iguais a todos os dias, na última noite.
A água do banho, o livro por ler, o confuso de tanto o que fazer.
A caneta à espera, a janela entreaberta, as portas cerradas.
A última noite passou assim, em branco.

Imagem by Auek

Publicado por Poeternizar

Eternizando versos, versejando vida, poetando sonhos, poeternizando a emoção de cada dia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: