Limites da dor

Meus olhos fechados
e ainda assim um rio que corre de mim
para encontrar o mundo.
Uma dor tão funda
tão funda
que afunda
confunde
e fechados também
meu coração
meus lábios
minhas mãos.
Ancora minha mágoa
a razão.
E ela me diz, me repete, insiste:
vai passar.
Eu não creio. Eu sei que não. Talvez sim. Quem sabe…
Enquanto escorre de mim a dor líquida
e molha o rosto, o papel, o chão…
Enquanto isto eu apenas espero.

Imagem by Be Awesome or die

Publicado por Poeternizar

Eternizando versos, versejando vida, poetando sonhos, poeternizando a emoção de cada dia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: