Da violência da paixão

Meu pensamento capturou de ti a imagem. Meu coração, apenas a essência. Agora, preso que estás dentro de mim, me diga: para que liberdade se a paixão acorrenta e amordaça e ainda assim o corpo não pede outra coisa…?
Meu corpo tem o teu corpo nesta tortura infinita de gestos e palavras que inflamam e provocam reações inesperadas.
Não há alma na paixão; se houvesse ela poderia voar para outros cantos e entoar outros cantos que não fossem as intensas melodias do corpo.
Só há corpo na paixão que amanhece alguns sentidos e anoitece outros.
A paixão que é fúria e com frenesi desperta o sonho e o calor do corpo antes adormecido pelo amor, dormente da rotina.
Desta prisão em que te encontras, celas abertas e sem algemas, me diga: queres partir?

Imagem by leonida fremov 

Publicado por Poeternizar

Eternizando versos, versejando vida, poetando sonhos, poeternizando a emoção de cada dia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: