Sobre pés, letras, e jeitos de ser

Tenho os pés no chão. Sempre tenho os meus pés no chão, mesmo quando estão levantados, em pulos, caminhando. Mas minhas asas tocam os céus, arranham o infinito, me eletrizam com o que de lá pescam ao tocar. Por isto sou o que sou, por isto nunca seria outra coisa. E meu coração pode até ter sido feito de pedra, mas o tipo de pedra e seu brilho, só vêem os que dele se aproximam. Por isto sou como sou, cabelos que se penteiam ao vento e dedos que tateiam letras; olhos que se fecham para ver melhor e mãos que aguentam o coração quando este quer sair do peito em desvario. Por isto o que sou não será outra coisa e nem seria eu o que não poderia ser. Não tenho um signo, sou o próprio sinal.

Imagem by Perfect She

Publicado por Poeternizar

Eternizando versos, versejando vida, poetando sonhos, poeternizando a emoção de cada dia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: