Poeminha 46

O sorriso calado e a palavra rouca.

O pedido nem saiu da boca.
Ajude quem puder e se preciso
De indeciso nem trocou de roupa.

Deixou-se cair sobre a beira da cama
Enterrou a cabeça e libertou a alma
Não esperou pela fama
Apenas seguiu a calma…

Descobriu-se depois somente
O sofrimento contido
No frágil frasco da mente
Que com a morte foi partido.

Não houve desculpa
E nem adeus
E se houve culpa
Não foi do ateu.

Publicado por Poeternizar

Eternizando versos, versejando vida, poetando sonhos, poeternizando a emoção de cada dia.

2 comentários em “Poeminha 46

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: