O OBSCENO DO GESTO

Ela olhou para frente e o viu, as mãos que se moviam pelo meio das pernas, de um lado para o outro, numa espécie de comichão desvairada por cima da calça.

Foi quando pensou no quanto de íntimo poderia existir naquele gesto e na informalidade de presenciá-lo ali, no meio da rua. Absurdo. Comum. Estranho.
O obsceno do gesto nem foi o próprio gesto. Foi o seu olhar que, ruborizado, preferiria nem ter visto aquilo.

Publicado por Poeternizar

Eternizando versos, versejando vida, poetando sonhos, poeternizando a emoção de cada dia.

Um comentário em “O OBSCENO DO GESTO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: