O sarampo, o sol e a janela da mãe

Nas ruas desertas um sol aberto e generoso banhava os paralelepípedos. Por detrás da janela, olhos curiosos espiavam todos os passos.

– Sai desta janela menino! Olha o sarampo vai te cegar!

Triste, ele desceu da cadeira e se jogou da cama. De lá tentava ainda esticar o pescoço e espiar. Nada. Esperou a mãe sair novamente para voltar à janela, afastar as grossas cortinas e de novo observar a rua.

– Se ela soubesse…!

Trinta e sete anos depois, óculos sobre o nariz, livro nas mãos, ele lembrava da mãe, do sarampo e do sol batendo na janela. De um olho não enxergava mesmo que não parecesse. E tinha guardado com ele a dúvida: será que havia verdade naquelas palavras? Não tinham sido só ameaças em vão para aquietar o menino doente?

– O senhor tem um olho que não desenvolveu!

Fosse o que fosse hoje era sim. Lembranças do sol, da janela e da mãe. Tudo já fazia parte do passado, tudo tinha se ido como sua visão. Melhor botar a culpa no sarampo…

Publicado por Poeternizar

Eternizando versos, versejando vida, poetando sonhos, poeternizando a emoção de cada dia.

Um comentário em “O sarampo, o sol e a janela da mãe

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: