Do desejo de voar que medrava em mim

Hoje eu vou ficar entre as nuvens
me balançar no vento
soltar os cabelos
e as ideias
deixar as asas dobradas
e voar sem…
Vou arriscar palpites
sem escolher momentos
ver se me rebelo
contra as plateias
que me observam intimidadas
sem voar…
Daqui do meio do céu
de cor sem azul, tão cinzento
vejo o mundo, um farelo
do pão da grande assembleia
dos que esperam acorrentados
para um dia voar…
E eu voo
alço voo
quando sonho e
quando acordo
eu voo…
De olhos fechados
e braços atados
quando sonho e
quando acordo
eu voo…
Por trás de mim ficam rastros de uma luz fazendo desenhos.
A luz dos anjos que me guiam e que comigo tenho.
Por eles eu voo
por mim eu voo
e alcanço além e além e além até pousar em terra firme e dizer
amém.

(Imagem: Loris Images)

Publicado por Poeternizar

Eternizando versos, versejando vida, poetando sonhos, poeternizando a emoção de cada dia.

Um comentário em “Do desejo de voar que medrava em mim

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: