A resistência

Há dores que fazem tanto estardalhaço que não há como esconder, elas são como um carnaval de cores e ruídos, chegam acintosamente e desatam em nós com fúria e sem segredo.
Outras dores, silenciosas dores, caladas dores, nem vemos chegar. Quando percebemos estão instaladas, incorporadas, vinculadas ao nosso estado de ser.
Pouco importa se a primeira ou a segunda nos toma. Dor é dor. Mal é mal. E o sentimento de não poder fazer muito é sempre maior.
Porque dor passa não quando mandamos embora, quando enxotamos de nós e dizemos chega! Dor, não interessa qual e como e quanto, só passa quanto tem que passar.
Suportar é remédio tanto quanto remédios em si. Ter a coragem de enfrentar conhecendo seu medo porque há a certeza de que partirá.
E resistir não fica mais como sinônimo de padecer.

Publicado por Poeternizar

Eternizando versos, versejando vida, poetando sonhos, poeternizando a emoção de cada dia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: