Despedir-se

Ela saiu lentamente em direção à porta. Carregava uma mala nem um pouco pesada numa mão e uma pequena bolsa na outra. No entanto, do tanto que ali havia vivido (e sofrido!) sentia pesar o coração como se nele houvesse uma fusão de todos os órgãos. Deu mais um passo e vomitou antes de abrir a porta. Pelo menos, antes de abrir a porta da casa.

Publicado por Poeternizar

Eternizando versos, versejando vida, poetando sonhos, poeternizando a emoção de cada dia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: