MALOGRO


Apanhou
da vida e não escapou.
Enquanto dormia
a vida seguia
e não o levou.
Coitado, vagabundo, excluído.
Perdido, imundo, baldeado.
Saiu da rua principal
onde andava cabisbaixo
entrou pela janela
na casa de um qualquer
e ele era um qualquer
e ele era o qualquer.
Acabou jogado
na rua da amargura
inútil e malogrado
vida que seguia
e não o levava e ia
esperdiçando o homem
que dentro dele existia
Apanhou e não sobreviveu
da vida ele não escapou…

Publicado por Poeternizar

Eternizando versos, versejando vida, poetando sonhos, poeternizando a emoção de cada dia.

Um comentário em “MALOGRO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: