O EXÍLIO

Uma linha tem duas pontas. O que há no meio delas não pertence a ponta alguma e nem é ponte. O meio da linha, sem a impertinência das pontas, apenas permanece. Mas é impermanente que se situa. Exilado das pontas que se encostam e amarradas pertencem a outro mundo.

Publicado por Poeternizar

Eternizando versos, versejando vida, poetando sonhos, poeternizando a emoção de cada dia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: